• banner formacao 2
  • banner metasV2
  • banner objetivo

Notícias

Título:  MORTALIDADE E SOBREVIDA NAS CIRURGIAS DE ARCO AÓRTICO COM PRESERVAÇÃO DOS VASOS SUPRAAÓRTICOS: treze anos de experiência

Resumo: OLIVEIRA, Paula Ferraz de. Mortalidade e Sobrevida nas Cirurgias do Arco Aórtico com preservação dos vasos supra-aórticos: treze anos de experiência. Rio de Janeiro 2016. Dissertação (Mestrado em Medicina: área de concentração cardiologia) – Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2016. Fundamentos: As doenças do arco aórtico exibem altas taxas de morbimortalidade. Algumas estratégias cirúrgicas realizam a preservação parcial do arco aórtico e dos vasos supra-aórticos, porém a mortalidade imediata e à médio prazo dos pacientes submetidos a esse tipo de procedimento é incerta, assim como a morbidade cirúrgica frente as estratégias convencionais de abordagem do arco aórtico.

Objetivos: Comparar a mortalidade global e a sobrevida em médio prazo dos pacientes submetidos a estratégia cirúrgica de preservação parcial do arco aórtico e vasos supra-aórticos frente as estratégias convencionais de abordagem do arco aórtico; avaliar a mortalidade por causa cardiovascular ao longo do tempo; avaliar a morbidade da estratégia cirúrgica entre os grupos.

Métodos: Estudo descritivo e retrospectivo da análise dos prontuários dos pacientes submetidos à cirurgia de correção do arco aórtico no período de fevereiro de 2000 a julho de 2013. Foram analisados 111 pacientes, sendo 29 pela estratégia cirúrgica de preservação parcial do arco aórtico e vasos supraaórticos (grupo A) e 82 por estratégias cirúrgicas convencionais na abordagem do arco aórtico (grupo B). Foram avaliadas variáveis clínicas préoperatórias, dados cirúrgicos e dados pós-operatórios. A análise de mortalidade e sobrevida foi realizada através dos dados fornecidos pelo serviço de informação de óbito da Secretária Estadual de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ). No grupo A, 60,7% eram portadores de dissecção aórtica e 39,3% de aneurisma, e no grupo B, 43% eram dissecção aórtica e 57% de aneurisma de aorta. Resultados: No grupo A, a taxa de mortalidade intrahospitalar por qualquer causa foi de 31% e no grupo B 29,3%. A sobrevida em 1 ano, 2 anos e 5 anos nos grupos foi semelhante. Quanto a mortalidade por causa cardiovascular, o grupo A apresentou taxa intra-hospitalar de  13,8% e o grupo B 26,8%. Já a sobrevida considerando o desfecho por causa 8 cardiovascular foi de 85,2% em 2 anos e 77,3% em 5 anos no grupo A e no grupo B, foi de 65,4% e 49,1%. Permaneceram em ventilação mecânica por mais 24h 44,8% no grupo A e 34,1% no grupo B (p = 0,554). A taxa de hemotransfusão foi de 48,3% e 32,5%, respectivamente (p = 0,184). Já o débito pelos drenos nos primeiras 24h maior que 600ml foi 41,4% no grupo A e 28% no grupo B (p = 0,131). Ocorreram procedimentos de urgência em 58,6% no grupo A e 44,4% no grupo B (p = 0,190). Já os procedimentos de emergência ocorreram em 17,2% no grupo A e 9,9% no grupo B (p = 0,292). Conclusões: Não houve diferença quanto a mortalidade por qualquer causa ao longo do tempo nos dois grupos. O grupo A apresentou mortalidade por causa cardiovascular em 5 anos inferior ao grupo B. Quanto à morbidade cirúrgica, os grupos não apresentaram diferença estatística.

pdf icon Confira a Defesa de Dissertação de Mestrado aqui.

 collage-ferraz

Título: Adesão ao tratamento e Controle da Pressão Arterial após participação no ReHOT

A defesa de dissertação de mestrao foi realizada no dia 29 de março de 2016, no Auditório no Auditório Professor Halley Pacheco de Oliveira – 8º andar do HUCFF/UFRJ.

pdf icon Confira a Defesa de Dissertação de Mestrado aqui

collage-nathalia

 

A Defesa de Dissertação foi realizado no dia 22 de março de 2016, no Auditório E3 50 – 3º andar do HUCFF/UFRJ.

Título: HIPERTENSÃO PULMONAR EM PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

DESCOMPENSADA: impacto na mortalidade após a alta hospitalar

Resumo: MARINHO, Tatiana Abelin Saldanha. Hipertensão pulmonar em pacientes com insuficiência cardíaca descompensada: impacto na mortalidade após a alta hospitalar. Rio de Janeiro 2016. Dissertação (Mestrado em Medicina: área de concentração cardiologia) – Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2016. Fundamentos: A insuficiência cardíaca(IC) é um grave problema de saúde pública, responsável por um número crescente de hospitalizações e elevado impacto na economia mundial. A pressão sistólica de artéria pulmonar (PSAP) está associada à pior evolução hospitalar em pacientes admitidos por insuficiência cardíaca descompensada (ICD). Seu papel na predição de eventos após a alta hospitalar é incerto. Objetivos: Avaliar o impacto da PSAP nos desfechos: readmissão por IC, morte, morte por doenças do aparelho circulatório e morte ou readmissão em 24 meses após uma internação por ICD.Métodos: Estudo de coorte, retrospectivo avaliando as internações por ICD em um hospital universitário no período de 01/01/2006 a 31/12/2011. Foram excluídas as  internações de IC com fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE) preservada, e aquelas em que o ecocardiograma (enão foi realizado, ou em que a medida da PSAP não estava disponível no laudo do exame. APSAP foi avaliada como variável contínua e  dicotômica, utilizando-se o valor de 45 mmHg como ponto de corte. Análise de Cox foi empregada para avaliar os preditores independentes de óbito após a alta. Curvas de Kaplan-Meier foram utilizadas para avaliar a associação de PSAP > 45 mmHg com os desfechos analisados e foram comparadas através do teste de log-rank. Resultados:Foram avaliadas150 internações,das quais 51,5% eram de homens, com média de idade de 61+/-14 anos e 41,6% etiologia isquêmica. A prevalência de PSAP > 45 mmHg foi de 54%. A mortalidade após a alta hospitalar foi de 51,4% em 24 meses. PSAP, tempo de hospitalização, ausência de prescrição de beta-bloqueador e uso de AAS na alta foram preditores independentes de morte após a alta. PSAP também foi preditora de reinternação e do desfecho composto morte ou reinternação, mas não do desfecho morte por doenças do aparelho circulatório. PSAP > 45 mmHg não esteve associada a nenhumdos desfechos avaliados. Conclusões: PSAP, como variável contínua, foi um preditor independente de mortalidade global pós-alta na análise multivariada e esteve associada à reinternação por IC e ao desfecho composto morte ou reinternação por IC na análise univariada. Não houve associação com morte por causas

pdf icon Confira a Defesa de Dissertação de Mestrado aqui

2017-01-11-PHOTO-00000019

Topo