• banner formacao 2
  • banner metasV2
  • banner objetivo

A defesa de dissertação de mestrado foi realizado no dia 28 de julho de 2016, no Auditório Professor Halley Pacheco de Oliveira – 8º andar do HUCFF/UFRJ.

Título: PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES COM DOENÇA DE CHAGAS NA FASE CRÔNICA EM UM HOSPITAL TERCIÁRIO DO RIO DE JANEIRO

Castilhos, Mariana Pereira. Perfil Nutricional de pacientes com doença de Chagas na fase crônica em um hospital terciário do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2016. Tese (Mestrado em Medicina: área de concentração Cardiologia) – Faculdade de Medicina / Instituto do Coração Edson Saad, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2016.

Fundamento: O estado nutricional é um dos principais moduladores da resposta imune agindo, possivelmente, como fator amplificador no mecanismo patogênico da doença de Chagas. Portanto, uma dieta adequada poderia influenciar no prognóstico da mesma. Objetivo: Analisar a qualidade da dieta e estado nutricional de pacientes com doença de Chagas e sem a doença pelo Índice de Qualidade da Dieta Revisado (IQD-R). Métodos: Estudo caso-controle, de ambos os sexos. A ingestão alimentar foi avaliada por questionário de frequência de consumo alimentar. Para a avaliação antropométrica, foram aferidos peso, estatura e circunferência da cintura, com posterior cálculo e classificação do Índice de Massa Corporal. A qualidade da dieta foi analisada pelo Índice de Qualidade da Dieta Revisado. As prevalências de ingestão inadequada de micronutrientes foram obtidas pelo obtidas pelo cálculo do percentual de adequação considerando a necessidade média estimada (EAR). Foi realizado o teste Qui-quadrado para comparar as variáveis categóricas entre os grupos. A comparação das médias das variáveis contínuas entre os grupos foi analisada utilizando o teste t Student. O teste Mann-Whitney foi utilizado para comparação de dois grupos e o teste Kruskal-Wallis para análise de dados não paramétricos. Resultados: Os 162 pacientes avaliados possuíam idade entre 38 a 89 anos, 73,6% eram idosos e 63% eram do sexo feminino. A prevalência de obesidade e acúmulo excessivo de gordura abdominal foi maior no grupo controle quando comparado ao grupo caso (<0,001). Não houve diferença do índice de qualidade da dieta entre os grupos (p=0,145). Observou-se baixa pontuação referente aos componentes leite e derivados, e sódio em ambos os grupos. O Grupo Controle apresentou consumo de gordura saturada acima das recomendações. Pode-se notar ainda que o Grupo Controle obteve maior pontuação nos componentes calorias vazias, carnes, cereais totais em relação ao Grupo Chagas. Conclusão: Pode-se concluir que a qualidade da dieta dos pacientes chagásicos foi insatisfatória, referente ao perfil dos componentes da dieta, e não apenas de forma global.

pdf icon Confira a Defesa de Dissertação de Mestrado aqui.

Topo